Fake News

Fake News e Pensamento Crítico: como falar sobre isso na sala de aula

Você já ouviu falar em fake news? Esse tema está cada vez mais presente no nosso dia a dia e por isso já vem se tornando uma preocupação de pais e educadores. Recentemente, alunos da Escola Eleva, no Rio de Janeiro, por exemplo, tiveram uma palestra para entender mais sobre o tema com o jornalista e especialista em educação e comunicação Rodrigo Ratier, um dos idealizadores do projeto Vaza Falsiane.

Para quem ainda não conhece o Vaza Falsiane, trata-se de um curso online gratuito que ensina metodologias para identificar e combater as chamadas fake news, assunto tão em pauta atualmente. O curso é bem direto e fala a língua dos adolescentes, o que ajuda a discutir o tema de maneira mais aberta. O grande objetivo do projeto é fazer com que os jovens observem criticamente as informações que recebem no dia a dia, podendo avaliar se elas são falsas ou se buscam confundir os fatos.

Para os autores do projeto Vaza Falsiane, a prática do pensamento crítico ainda está fora de muitas salas de aula pelo Brasil e foi a partir desse cenário que eles sentiram a necessidade de levar aos jovens um curso para que possam aprender a buscar informações com qualidade e transparência.

Segundo Ratier, mais do que necessário no atual cenário de hiperinformação, o curso é um exercício constante de pensamento crítico. “A grande vertente que guia o programa é a conscientização e alfabetização midiática. Hoje os  jovens vivem em um mundo com muitas informações e meios de comunicação que possibilitam a chegada do conteúdo diretamente até o leitor, como Whatsapp e Facebook. É essencial desenvolver habilidades básicas para que a criticidade do pensamento seja constante”, afirma.

No programa do LIVLaboratório Inteligência de Vida, a habilidade de pensamento crítico é estimulada em todas as aulas, especialmente nos anos finais do ensino fundamental. Assim, essa prática pode tornar-se uma constante na vida dos jovens, uma vez que eles são impulsionados a exercerem atitudes e hábitos diante do conteúdo que consomem. Além disso, no 8º ano os alunos desenvolvem o pensamento crítico com uma atividade específica sobre fake news, na qual podem falar sobre a maneira mais adequada de descobrir se um conteúdo é digno de confiança ou se é apenas “fake”.

Pensamento crítico: como saber se é fake news

Inspirados pelo Vaza Falsiane, listamos aqui algumas atitudes que toda pessoa pode fazer para avaliar se uma informação é falsa, ou seja, uma fake news. Confira!

  1. Seja um explorador: ao receber um conteúdo (uma imagem, um texto ou vídeo) verifique quem pode ter enviado o material. Você conhece o número de quem está mandando a mensagem? Ela foi criada por um amigo ou é uma mensagem encaminhada? Esses são os primeiro passos para começar a questionar criticamente as informações que chegam até você pelo celular ou computador.
  2. Seja um detetive: seja desconfiado e investigue o que parecer suspeito. Por que esse conteúdo foi enviado para o seu celular? Qual foi a data de publicação original? Ele se conecta com o contexto em que está sendo usado ou está fora de contexto? Tem um link para um site confiável ou é um material sem fonte?
  3.  Seja criterioso: procure entender os critérios de autoria das notícias. É importante saber que não é comum jornais ou revistas sérios usarem palavras fortes, imagens que expõe muito os personagens da notícia e menos ainda textos escritos com linguagem de internet, por exemplo. Os jornais também colocam a data e indicam quem fez o texto. Faça um exercício de imaginar como seria o conteúdo recebido em uma página de jornal e desconfie de textos sem autoria.

Todos esses passos são essenciais para tirar o aluno do fluxo automático de recebimento de informações, colocando-o em uma posição menos passiva. É importante também destacar que incentivar a análise dos conteúdos é um exercício constante e que desenvolve o potencial de reflexão gradativamente, ou seja, não será do dia para a noite que todos os estudantes terão pensamento crítico bem desenvolvido. O que empodera o aluno enquanto protagonista é mostrar que ele é responsável pela construção do seu próprio saber e que, desse modo, ele poderá tomar decisões com mais sabedoria e responsabilidade coletiva.

Quer conhecer mais sobre o projeto Vaza Falsiane? Acesse: www.vazafalsiane.com.br
E se você ficou com vontade de trabalhar esse tema com seus estudantes, acesse nosso site e veja como levar o LIV para sua escola:

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − treze =