Dia da Educação: histórias de quem consegue mudar a realidade das escolas

O dia 28 de abril marca o Dia Mundial da Educação. Nessa data, no ano 2000, foi realizado o Fórum Mundial de Educação, em Dakar, no Senegal, com a participação de representantes de 180 países. Na ocasião, foi assinado um documento no qual os países se comprometiam a não poupar esforços para que a educação de qualidade chegasse a todas as pessoas do planeta.

De lá para cá, tanto no Brasil quanto em outras nações, o acompanhando das metas e indicadores foi fortalecido, revelando que, embora ainda haja muito o que ser feito, já avançamos em diversos campos, elevando o acesso e a qualidade educacional em comparação com o século anterior.

No que diz respeito ao acesso, de acordo com dados do Anuário Brasileiro da Educação Básica 2018, 97% da população brasileira de 6 a 14 anos de idade está matriculada no ensino fundamental. Embora milhares de crianças sigam fora da escola, esse é o maior índice de matriculados nessa etapa de ensino já registrado em nosso país, marcado historicamente pela exclusão escolar.

Já em relação à qualidade, este início do século XXI foi marcado por grandes avanços na legislação educacional brasileira. A aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE) e 2014 e, mais recentemente, a criação de uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC) deram luz à necessidade de oferecer uma educação aos estudantes que não seja pautada apenas pelos conteúdos tradicionais, mas também abra espaço para uma educação integral que contemple também as necessidades socioemocionais dos alunos.

Olhando para os dados educacionais e políticas públicas conseguimos ter uma visão macro dos problemas e avanços que os últimos anos trouxeram para o Brasil, mas é quando pegamos uma lupa e olhamos para o que acontece dentro das escolas que podemos ver a realidade de educadores que, no dia a dia das salas de aula, transformam a vida de milhares de crianças e adolescentes.

Dar luz a ações como essa é um dos objetivos do Congresso Socioemocional LIV 2019, que terá um espaço na programação dedicado a mostrar experiências de educadores inspiradores. O evento, que acontecerá nos dias 7 e 8 de junho, terá entre os convidados a professora Gina Vieira Ponte, de Ceilândia (DF), premiada com o primeiro lugar no I Prêmio Ibero-Americano de Educação, em 2015, por seu projeto Mulheres Inspiradoras. Desde então, Gina tem levado sua experiência a educadores do Brasil e do mundo mostrando como é possível promover o debate sobre igualdade e respeito ao próximo entre estudantes e suas famílias.

Durante o Congresso Socioemocional LIV, a professora dividirá o palco com outros educadores inspiradores, como Janaína Oliveira Barros, vencedora de diversos prêmios na área e que em 20 anos de atuação ajudou a transformar a educação pública na cidade de Seabra (BA), e Letícia Lyle, especialista em educação socioemocional e um dos nomes mais respeitados atualmente nesse campo.

Para este Dia da Educação, convidamos Gina a fazer um breve relato sobre sua experiência e falar sobre os desafios e avanços do setor. Confira:

Temos problemas sérios, estruturais na educação brasileira, porque temos graves problemas de má distribuição de renda e desigualdade social. Um país que foi fundado sob a égide da escravidão, do extermínio de indígenas e a partir de um processo de colonização violento como foi o nosso, traz, também, na história da educação vestígios dessa cultura. Mas, fora da educação e da escola, não há alternativas. É essa escola, com todas as contradições que ela tem, que me formou e que me fez compreender que esse é um espaço imprescindível para a nossa constituição como seres humanos. A escola é o espaço em que encontramos a beleza da diversidade, é onde aprendemos a conviver com quem pensa diferente da gente, é onde faremos amigos que nos acompanharão a vida inteira. Para muito além de nos formar visando a entrada no mundo do trabalho, a escola deve nos formar para fortalecer os marcos civilizatórios da humanidade, para nos dar condições de uma vida digna, em que nos seja permitido entender e valorizar o nosso lugar no mundo. Agradeço a oportunidade que a vida me deu de estar tão profundamente imersa no espaço escolar. Trabalhar há tanto, como educadora, certamente me fez uma profissional mais sensível à realidade do nosso país, uma pessoa mais humana e uma cidadã mais lúcida”.

Se você também atua na área da educação e tem um relato inspirador que gostaria de divulgar, aproveite o dia de hoje e conte nas suas redes sociais, usando a hashtag #DiaDaEducaçãoLIV, como a educação mudou sua vida e de seus alunos!

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − sete =