Desafios e ansiedade no ENEM e vestibulares

Este ano, o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) está sendo mais uma vez realizado no Brasil, reunindo cerca de 5,1 milhões de estudantes. Por ser atualmente a principal porta de entrada no Ensino Superior, tanto no Brasil quanto em algumas universidades no exterior, o ENEM, assim como outros vestibulares, gera uma grande carga emocional em todos aqueles que participam das provas, embora mais para alguns que para outros. O ENEM e a ansiedade, por exemplo, são “amigos” de longa data e até ganharam uma categoria especial de memes, de tantas emoções que se pode destacar a partir da sensação de fazer uma prova tão marcante. Mas de onde vem essa ansiedade toda?

Fatores que podem desencadear a ansiedade

Inicialmente, é importante lembrar que a adolescência é um período marcado por alterações corporais e psicológicas, além de modificações das relações interpessoais com família, amigos e namorado(as). Sentir-se bem física e emocionalmente pode ser um desafio em momentos de pressão, e envolve fatores internos e externos sobre os quais nem sempre é possível ter controle.

Segundo artigo de Raul Spitz e Renata Ishida, são inúmeros os fatores e as pressões que influenciam esse momento. “A primeira é a decisão de qual carreira seguir, ainda mais nos dias atuais, em que o futuro de diversas profissões está ameaçado e a pluralidade de opções e caminhos aumentou de maneira exponencial”, diz o texto.

De fato, o mundo do trabalho está mudando. Um estudo da Foundation for Young Australian (FYA), de 2017, os jovens contemporâneos viverão em ambientes futuros mais colaborativos, globalizados e com mais atividades automatizadas – fatores que afetarão a maneira como se relacionam e as habilidades que precisam para viver no mundo. Para Conrado Schlochauer, sócio-fundador da Affero Lab (uma das maiores empresas de educação corporativa do Brasil) e embaixador da Singularity University no país, essa realidade sem precedentes exige um novo desenvolvimento de competências em vez de só o aprendizado sobre conteúdos e técnicas.

 “Precisamos preparar as pessoas para trabalharem num mundo que já está mudando. Devemos focar mais no aprendizado e menos no ensinar. A principal competência para esse processo é a capacidade de aprender de maneira independente a partir da curiosidade individual”, afirmou em entrevista à primeira edição da revista Rumos, publicação que faz parte do material exclusivo enviado para alunos do Ensino Médio das escolas parceiras do LIV.

O estudo da FYA, focado na realidade australiana, não se mostra muito diferente de uma pesquisa global realizada pelo Fórum Econômico Mundial, publicada em 2016. O relatório, elaborado a partir de entrevistas de mais de 13 milhões de profissionais de diferentes setores, apontou uma série de profissões que podem ser extintas em alguns anos e destacou que as habilidades de solução de problemas complexos, pensamento crítico e criatividade são as principais competências que devem ser desenvolvidas para a formação cidadã e profissional em 2020.

Para Spitz e Ishida, além desse cenário de mudanças no mercado de trabalho, que por si já tem grande impacto, a fase que antecede o Ensino Superior também é afetada por pressões familiares ou de amigos. “A competitividade e as incertezas cada vez maiores nessas provas podem adubar o que já é ruim, tornando esse período da vida ainda mais estressante. Sintomas de ansiedade são os mais frequentes: alteração no sono, no apetite, inquietação, falta de concentração, agressividade, crises de choro ou até vômitos, tremores e dores no corpo”, explicam os psicólogos, e completam: “Em uma época da vida em que a grande maioria dos jovens são convocados a se afirmar perante os grupos sociais, a prova do ENEM ou vestibular chega como mais um teste e, muitas vezes, o resultado pode ser recebido como a comprovação de sua total capacidade ou falta dela”, completam.

Para ajudar o jovem nessa fase, os especialistas do LIV destacam o autoconhecimento, a inteligência emocional e o acesso a um ambiente favorável à troca, pois esses são extremamente necessários para que o jovem possa lidar com o que sente nessa fase de expectativas, focando em seus desejos e projetos sem o peso da ansiedade ou de medos descontrolados ou influenciados por fatores externos.

**

Para saber mais sobre ansiedade e vestibular, acesse o novo ebook do LIV focado especialmente nos adolescentes.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 − 4 =